Sunday, January 9, 2022
HomeAppsGrupo NSO: Líder polonês admite que o país comprou um poderoso spyware...

Grupo NSO: Líder polonês admite que o país comprou um poderoso spyware israelense

O político mais poderoso da Polônia reconheceu que o país comprou spyware avançado da fabricante israelense de software de vigilância NSO Group, mas negou que estivesse sendo usado para atingir seus oponentes políticos.

Jaroslaw Kaczynski, líder do partido conservador no poder da Polônia, Lei e Justiça, disse em uma entrevista que os serviços secretos em muitos países estão usando o software Pegasus para combater o crime e a corrupção.

Kaczynski disse que o uso de tal spyware surgiu em resposta ao crescente uso de criptografia para mascarar dados em trânsito, que derrotou as tecnologias de monitoramento anteriores. Ao hackear telefones, ele permite que as autoridades monitorem as comunicações, bem como conversas em tempo real onde elas não são criptografadas.

“Seria ruim se os serviços poloneses não tivessem esse tipo de ferramenta”, disse Kaczynski em entrevista a ser publicada na edição de segunda-feira da revista semanal Sieci. O portal de notícias wPolityce.pl publicou trechos na sexta-feira.

A entrevista segue relatórios exclusivos da Associated Press de que o Citizen Lab, um grupo de vigilância cibernética da Universidade de Toronto, descobriu que três críticos do governo polonês foram hackeados com o Pegasus da NSO.

Na quinta-feira, a Anistia Internacional verificou de forma independente a descoberta do Citizen Lab de que o senador Krzysztof Brejza foi hackeado várias vezes em 2019, quando dirigia a campanha eleitoral parlamentar da oposição.

Mensagens de texto roubadas do telefone de Brejza foram adulteradas e transmitidas pela TV estatal na Polônia como parte de uma campanha de difamação no calor da corrida, que o partido populista no poder acabou vencendo por pouco.

Brejza agora sustenta que a eleição foi injusta, já que o partido no poder teria acesso ao pensamento tático e aos planos de sua campanha.

As revelações de hackers abalaram a Polônia, fazendo comparações com o escândalo de Watergate nos Estados Unidos na década de 1970 e provocando pedidos de uma comissão de investigação no parlamento.

Kaczynski disse não ver motivo para criar tal comissão e negou que a vigilância tenha desempenhado algum papel no resultado das eleições de 2019.

“Não há nada aqui, nenhum fato, exceto a histeria da oposição. Não há nenhum caso Pegasus, nenhuma vigilância”, disse Kaczynski. “Nenhum Pegasus, nenhum serviço, nenhuma informação obtida secretamente desempenhou qualquer papel na campanha eleitoral de 2019. Perderam porque perderam. Eles não deveriam procurar essas desculpas hoje.”

Os outros dois alvos poloneses confirmados pelo Citizen Lab foram Roman Giertych, advogado que representa políticos da oposição em vários casos politicamente sensíveis, e Ewa Wrzosek, promotora independente.

Quando perguntado pela AP em dezembro se a Polônia havia comprado a Pegasus, o porta-voz de segurança estatal Stanislaw Zaryn não confirmou nem negou. No entanto, muitos aliados de Kaczynski lançaram dúvidas publicamente sobre as sugestões do uso do Pegasus pelo governo.

O primeiro-ministro polonês Mateusz Morawiecki chamou as descobertas do Citizen Lab-AP de “notícias falsas” e sugeriu que um serviço de inteligência estrangeiro poderia ter feito a espionagem – uma ideia rejeitada por críticos que disseram que nenhum outro governo teria interesse nos três alvos poloneses.

O vice-ministro da Defesa Wojciech Skurkiewicz disse no final de dezembro que “o sistema Pegasus não está na posse dos serviços poloneses. Não é usado para rastrear ou vigiar ninguém em nosso país.”

Reportagens da mídia polonesa dizem que a Polônia comprou a Pegasus em 2017, usando dinheiro do chamado Fundo de Justiça, destinado a ajudar as vítimas de crimes e reabilitar criminosos.

De acordo com as investigações da emissora TVN e do diário Gazeta Wyborcza, o software é usado pela Central Anticorruption Bureau, um serviço especial criado para combater a corrupção na vida pública que está sob o controle político do partido no poder.

“O dinheiro público foi gasto em um importante objetivo público, relacionado à luta contra o crime e à proteção dos cidadãos”, disse Kaczynski.

Dezenas de casos de alto perfil de abuso de Pegasus foram descobertos desde 2015, muitos por um consórcio de mídia global no ano passado, mostrando que o malware NSO Group foi empregado para espionar jornalistas, políticos, diplomatas, advogados e ativistas de direitos humanos do Oriente Médio para México.

Os hacks poloneses são considerados particularmente notórios porque ocorreram não em uma autocracia repressiva, mas em um estado membro da União Europeia.

A diretora da Anistia Internacional na Polônia, Anna Błaszczak, alegou em um comunicado na sexta-feira que espionar a oposição seria consistente com o comportamento do governo polonês sob Lei e Justiça. A UE tem criticado cada vez mais a Polônia por interferência judicial e outras ações consideradas antidemocráticas.

“Essas descobertas são chocantes, mas não surpreendentes. Eles levantam sérias preocupações não apenas para os políticos, mas para toda a sociedade civil da Polônia em geral, principalmente devido ao contexto do histórico do governo de subverter persistentemente os direitos humanos e o estado de direito”, disse Blaszczak.

Veja as últimas novidades da Consumer Electronics Show no Gadgets 360, em nosso hub CES 2022.

.

source – gadgets.ndtv.com

Sandy J
Hi thanks for visiting Asia First News, I am Sandy I will update the daily World and Music News Here, for any queries related to the articles please use the contact page to reach us. :-
ARTIGOS RELACIONADOS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Mais popular

x