Sunday, January 2, 2022
HomeEntretenimentoRevisão da filha perdida: desconstruindo mamãe

Revisão da filha perdida: desconstruindo mamãe

Crianças não são bonecas. Embora muitas vezes representados como querubins queridos ou perfeitamente precoces, as crianças podem ser terríveis – chutam, gritam, dão socos, choram, mentem e exigem que os pais abandonem suas vidas para que os filhos sobrevivam. Embora dificilmente dignos de culpa, eles exigem um tipo de paciência, compaixão e (acima de tudo) atenção o que algumas pessoas simplesmente não têm, e afirmar que todas as mulheres deveriam ser mães só resulta em uma série de pais ruins e filhos infelizes. Algumas pessoas pensam que querem filhos; eles realmente querem apenas bonecas.

O novo filme A filha perdida explora este conceito compreensivelmente provocativo com sutileza e mistério. No filme, Olivia Colman interpreta Leda Caruso, uma mulher solitária de férias em uma praia grega que se depara com uma grande família com uma jovem e linda mãe e sua filha. Leda é reservada e misteriosamente fria, expressando o jeito peculiarmente britânico de ser educado e recusar ajuda, ao mesmo tempo em que tem um ataque de pânico existencial em câmera lenta.

VÍDEO DO DIA

Achados e perdidos

Dakota Johnson reclina-se na praia em The Lost Daughter
Netflix

Quando Leda chora ao observar a terna brincadeira entre uma mãe chamada Nina (perfeitamente retratada por uma quase irreconhecível Dakota Johnson) e a criança, o público começa a questionar a história da mulher. Nina perde a filha na praia um dia, desencadeando o que será o primeiro de uma série de flashbacks sobre a própria maternidade de Leda (onde ela é interpretada por uma tensa Jessie Buckley), onde é revelado o quão despreparada a mulher estava para a paternidade. Ela simplesmente não parece capaz de dar atenção aos filhos – ela coloca os fones de ouvido nos ouvidos enquanto seu filho chora e grita desesperadamente por ela; ela se recusa a beijar o dedo machucado de seu filho quando a menina o pede; ela parece se ressentir de seus filhos por desviarem sua atenção de seu casamento e carreira; ela bate portas e quebra vidros. “Odeio falar com meus filhos ao telefone”, diz ela. “Não diga isso”, responde um homem, ignorando-a por completo.


A filha de Nina é encontrada por Leda, e a mãe mais nova agradece a mãe mais velha em lágrimas e sem fôlego; elas se olham várias vezes, e parece que se conectam profundamente entre si a respeito de sua insatisfação e frustração com a maternidade. A família agradece a Leda, mas não percebe que a mulher mais velha roubou a boneca da criança, pela qual ela passa a ter uma obsessão perturbadora; infelizmente, a filha de Nina não vai esquecer a boneca e sua família violenta e intimidadora também não. O que se segue é um estranho drama adulto sobre maternidade, solidão, segredos e abandono.

Rainha Coleman

Olivia Colman esconde uma boneca em sua bolsa em The Lost Daughter
Netflix

Olivia Coleman costumava ser a atriz mais subestimada na área, trabalhando discretamente, mas de forma hilariante no mundo da comédia da televisão britânica (com atuações brilhantes no inovador Asa Verde e o humoristicamente depravado Peep Show) As habilidades de Colman progrediram para o drama à medida que ela ganhava prêmios e elogios por seu desempenho doloroso no brutal Tiranossauro e a série brilhante e melancólica Flores. Ela agora está sendo reconhecida como uma das maiores atrizes da atualidade, tendo ganhado um Oscar como a rainha Anne queer no filme de Yorgos Lanthimos O favorito, e outra indicação ao Oscar para O pai com Anthony Hopkins.


Dentro A filha perdida, ela continua a dominar a arte reduzindo a performance a gestos simples e linhas de entrega que sugerem algo mais profundo. “Você não tem filhos?” uma mulher pergunta a ela. “Sim, tenho duas filhas”, responde Leda. “Onde eles estão?” Leda faz uma pausa antes de dizer sem qualquer resposta: “Crianças são uma responsabilidade esmagadora.” Cada linha que ela dá e cada gesto que ela faz são perfeitos, e ela leva o filme do início ao fim.

Conforme o filme avança, torna-se genuinamente cheio de suspense, já que a família de Nina pode suspeitar que Leda roubou sua boneca. Aparências ameaçadoras e comportamento raivoso dos homens da família de Nina (possivelmente adjacente à Máfia) criam uma sensação real de perigo, mas Leda é estranhamente inflexível quanto a manter a boneca (o que se torna uma metáfora óbvia, mas adequada para tanta dor). Um tipo incomum de tensão está entrelaçado ao longo de todo o filme, mas são as sequências finais que realmente elevam esse clima.


Gyllenhaal encontra sua tripulação

Olivia Colman janta com Paul Mescal em The Lost Daughter
Netflix

Surpreendentemente, este é o primeiro longa-metragem de Maggie Gyllenhaal, que ela escreve e dirige com brilho absoluto. O ator escreveu a Elena Ferrante, autora do romance original, durante o processo de aquisição dos direitos de produção do filme. O autor respondeu dizendo: “Sim, você pode ter os direitos, mas este contrato é nulo, a menos que você o direcione”. Assim, Gyllenhaal veio para dirigir esta obra-prima do drama adulto. Durante suas três décadas atuando na indústria do cinema (com grande aclamação), ela deve ter adquirido algumas habilidades por trás das câmeras, porque seu trabalho aqui é intuitivamente excelente.

Ela começa o filme da mesma forma que a grande cineasta francesa Helene Louvart filma a maior parte, em close-ups ligeiramente trêmulos (e às vezes extremos). A sequência do título deve se tornar instantaneamente icônica, conforme uma câmera agitada claustrofobicamente segue Colman antes de cortar para fora para observá-la em pé descalço na praia. Ela entra em colapso, sua linha vertical torna-se horizontal e paralela às ondas quebrando enquanto a trilha sonora cativante e romântica de Dickon Hinchliffe explode do vazio. A música de Hinchliffe é incrível aqui; como membro da antiga e original banda indie The Tindersticks, o compositor sabe como criar música pop que acompanha, em vez de distrair, as imagens. A trilha, honestamente, soa como uma composição clássica de algum grande filme fictício de Hollywood dos anos 60.


Os atores que Gyllenhaal traz complementam a história perfeitamente. Além da performance poderosa de Colman, Peter Sarsgaard, Ed Harris, Paul Mescal e os já mencionados Johnson e Buckley são fenomenais com a forma como cada um deles se relaciona com o protagonista solitário em suas próprias maneiras particulares. Leda inspira uma série de emoções em todas as pessoas que encontra, dependendo do quanto a conhecem e do quanto ela decide revelar a eles; os membros do elenco são excelentes em localizar a repulsa, a inveja, a luxúria, a raiva, a preocupação e a pena que cada um deles expressa por ela. Em última análise, porém, é a relação elusiva que se desenvolve entre Nina e Leda que é o coração deste filme às vezes destacado. Leda existe de um lado do abandono dos filhos, com Nina, talvez, do outro. Elas se encontram em um mundo que exige que a maternidade seja uma coisa, onde quem não se encaixa está condenado a sofrer sozinho.


Aqui também merece destaque a montagem de Affonso Gonçalves, que aborda o passado e as relações atuais das personagens. Ele lentamente e lindamente reúne as duas linhas do tempo e famílias diferentes com uma espécie de arquitetura emocional, unindo o passado e o presente de Leda enquanto estrutura os muitos espaços do filme para criar um todo coeso. Ele e Gyllenhal unem as duas pistas mais através da edição do que através do diálogo e interação reais, entrelaçando suas dificuldades parentais e problemas pessoais através de tomadas reversas e cortes não lineares.

Simplesmente ela mesma

A maternidade é uma coisa linda, e as crianças também, mas esta não é uma experiência universal. “Quando o mais velho tinha sete anos e o mais novo cinco, eu fui embora”, conta Leda a Nina. “Eu os abandonei e não vi meus filhos por três anos.”


“Qual foi a sensação sem eles?” Nina pergunta.

“Foi incrível.” Colman permanece equilibrado, mas ainda chora ao pronunciar esta linha, capturando a estranha contradição de sua personagem. Ela sabe que fez algo errado ao abandonar os filhos, mas não consegue evitar o fato de ter ficado mais feliz com isso. Ela preferia dar atenção a outra coisa – um caso, trabalho, amor, literatura ou simplesmente ela mesma. Este é um sentimento radical de se apresentar em um filme, mas libertador para as mulheres. Em sua própria maneira escura e misteriosa, A filha perdida é uma obra-prima feminista

A Invasão Secreta da Marvel quer juntar Olivia Colman com Samuel L. Jackson na Disney + Series
A Invasão Secreta da Marvel quer juntar Olivia Colman com Samuel L. Jackson na Disney + Series

A vencedora do Oscar Olivia Colman pretende se juntar à série Secret Invasion ao lado de Samuel L. Jackson.

Leia a seguir


Sobre o autor

source – movieweb.com

Deep sagar N
Hi thanks for visiting Asia First News, I am Deep Sagar I will update the daily Hollywood News Here, for any queries related to the articles please use the contact page to reach us. :-
ARTIGOS RELACIONADOS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Mais popular

x